Queda de cabelo

A queda de cabelo é uma queixa constante entre homens e mulheres de todas idades, em especial entre as pessoas que tem idade mais avançada ou passam por momentos e situações anormais.

Pode ter origem em diversos fatores, como o estresse, deficiências vitamínicas, doenças como tireoidopatias, lúpus entre outras.

Pode ocorrer também por herança genética como a calvície feminina e a calvície masculina e ainda, ter origem em transtornos emocionais, como são os casos da Alopecia Areata e da Tricotilomania.

Assista ao vídeo onde a Tricologista fala mais sobre o tema:

Ciclo capilar

Cada fio de cabelo tem um tempo de duração e obedece a um ciclo capilar de desenvolvimento, que é dividido em três fases:

  1. Anágena – frase de crescimento;
  2. Catágena – repouso;
  3. Telógena – queda.

ciclo capilar

Queda natural dos cabelos

É natural que haja uma perda de até 150 fios por dia. Além disso, há também uma variação sazonal da quantidade de fios que se desprendem diariamente. No outono por exemplo, há uma tendência de aumento na perda de cabelo.

sazonalidade da queda de cabelo

Causas da queda do cabelo

São muitas as causas da queda de cabelo em homens e mulheres. Você pode conferir na lista abaixo as causas comuns de acordo com o gênero:

Principais causas em mulheres

  • Anemia;
  • Anticoncepcional;
  • Baixa imunidade;
  • Calvície feminina;
  • Causas emocionais e/ou psicológicas;
  • Deficiência de vitaminas, principalmente zinco e ferro;
  • Desequilíbrio dos hormônios femininos;
  • Eflúvio Telógeno;
  • Excesso de química nos cabelos;
  • Excesso de Testosterona;
  • Problemas na Tireóide;
  • Reações da amamentação e/ou pós-parto;
  • Sintomas da gravidez.

Principais causas em homens

  • Anemia;
  • Calvície Aerata;
  • Calvície masculina;
  • Deficiência nutricional;
  • Dermatite Seborréica;
  • Doenças infecciosas;
  • Excesso de oleosidade;
  • Fungos e bactérias;
  • Sensibilidade a Testosterona.

Causas mais comuns

1. Doenças no couro cabeludo

A queda do cabelo também ocorre por doenças no couro cabeludo como a Psoríase, a Dermatite Seborréica, a Foliculite Decalvante, entre outras. Químicas fortes como alisamentos podem causar dermatites no couro cabeludo e resultar na queda de cabelo.

Como já citado, são muitas as causas que podem causar a queda de cabelo, por isso a importância de procurar um especialista para o diagnóstico e prescrição do tratamento adequado para sanar o problema.

2. Eflúvio Telógeno

A queda de cabelos mais comum, e observada em mulheres de todas as idades é o Eflúvio Telógeno. Quando ocorre a queda súbita de cabelos, geralmente precedida de uma doença, parto, internação, cirurgia, febre alta, dieta radical ou grande stress.

É muito comum esse tipo de queda associada à dengue, doença tão frequente nos últimos tempos.

A queda também pode ser lenta e gradual. Pode ser ocasionado na parada do uso de anticoncepcionais, desnutrição, baixa vitamina D e Ferro, emagrecimento e stress.

Distúrbios da Tireóide, caspa, psoríaseexcesso de sol também estão entre as causas.

3. Procedimentos cirúrgicos

Devido ao estresse causado pela cirurgia, a oferta de nutrientes ao couro cabeludo pode se tornar deficiente, provocando então queda de cabelo.

A cirurgia é uma lesão ao organismo, mesmo que controlada. Após esta lesão, o organismo precisa se mobilizar para recuperar o tecido machucado. Para isso, ocorre um desvio de boa parte do suprimento de sangue e nutrientes para a região operada.

Esse processo de cicatrização do local operado dura meses. Prejudica a nutrição de outros órgãos. Nesse meio tempo, pode ser que faltem nutrientes para o cabelo – resultando na queda do mesmo como já explicamos acima.

Assim fica fácil imaginar que cirurgias maiores têm maior probabilidade de levar à queda de cabelos, não é?

4. Estresse

O estresse em níveis elevados, seja físico ou emocional pode levar a condições favoráveis à queda de cabelo. Enquanto o estresse pode causar o problema, há casos em que ele piora uma condição existente.

Confira as principais causas de queda de cabelo favorecidas pelo estresse:

  • Eflúvio telógeno
    Quando há essa condição, o estresse pode fazer com que os folículos capilares entrem em uma fase de repouso, evitando que o cabelo cresça.Meses depois, o cabelo ligado aos folículos afetados pode começar a cair repentinamente, em maior volume. Este é o tipo mais frequente de queda de cabelo ligado ao estresse.
  • Alopecia areata
    O sistema imunológico ataca os folículos capilares, levando à queda de cabelo (às vezes, em grande quantidade). Vários fatores podem causar esse tipo de perda de cabelo, e o estresse, supostamente, é um deles.
  • Tricotilomania
    Envolve uma compulsão do paciente, que arranca o cabelo da própria cabeça e de outras partes do corpo. O paciente desenvolve a condição como método de lidar com a pressão emocional, ansiedade, depressão, solidão ou tédio.

 

5. Procedimento cirúrgico

O procedimento cirúrgico em si nada tem a ver com a queda de cabelos. Porém a cirurgia é uma lesão ao organismo (mesmo que controlada). Após esta lesão, o organismo precisa se mobilizar para recuperar o tecido machucado. Para isso, ocorre um desvio de boa parte do suprimento de sangue e nutrientes para a região operada.

Esse processo de cicatrização do local operado dura meses, o que prejudica a nutrição de outros órgãos. Nesse meio tempo, pode ser que faltem nutrientes para o cabelo – resultando na queda do mesmo como já explicamos acima.

Assim fica fácil imaginar que cirurgias maiores têm maior probabilidade de levar à queda de cabelos, não é? Cirurgias grandes (como cirurgia abdominais, muito longas ou com complicações) resultam em grandes lesões – que mobilizarão muitos nutrientes para recuperar o local lesado.

6. Ação temporária

Entretanto, esta ação é temporária, durando apenas algumas horas. Responsabilizar a anestesia pela queda de cabelo não é muito justo, apesar da pequena parcela de culpa.

Isso vale para qualquer tipo de anestesia? Sim. De modo geral, todo tipo de anestesia resulta em diminuição da pressão arterial. Este estado ocorre durante a cirurgia e é momentâneo. Qualquer tipo de anestesia pode desencadeá-lo – seja anestesia geral, peridural, raquianestesia, etc. Mas, novamente: a influência da anestesia, neste caso, é pequena.

7. Eflúvio pós-parto

“Meu cabelo estava tão bonito durante a gravidez e agora que meu bebê nasceu está caindo. Por que?”

O aumento da queda de cabelos após o parto é chamado Eflúvio Pós-Parto e é considerado um evento fisiológico esperado.

Até três meses após o parto, os hormônios diminuem e os cabelos retomam seu ciclo de desenvolvimento. Todos os fios de cabelo que tiveram o prolongamento da fase Anágena (fase de crescimento) passam diretamente para fase Telógena, de queda.

Os fios de cabelo perdidos neste evento retornarão a crescer e serão repostos em alguns meses. No geral, a queda se inicia em 2 a 3 meses após o parto e cessa em até 6 meses após o inicio da queda.

eflúvio pós-parto

O Eflúvio Pós-Parto, em geral, melhora sem a necessidade de um tratamento. Mesmo assim, é importante consultar um especialista em tricologia.

Complicações hormonais

Em algumas doenças, especialmente doenças da tireóide e nas deficiências nutricionais, podem sobrepor-se ao Eflúvio Pós-Parto, prolongando e intensificando a queda de cabelos.

O Eflúvio Pós-Parto não causa calvície como no caso da Alopecia de tração. Contudo, em algumas mulheres com tendência para a calvície feminina (Alopecia Androgenética Feminina), o Eflúvio Pós-Parto pode agravar ou precipitar o problema.

Muitas vezes o diagnóstico não é fácil e pode ser um conjunto de diversos fatores. O histórico do paciente deve ser detalhado em busca de diversas causas. São avaliados os hábitos, medicamentos e a dieta do paciente, além da avaliação de exames laboratoriais.

Tratamentos para a queda de cabelo

Antes de dar início a qualquer modalidade de tratamento, é necessário primeiro, identificar a causa. Só assim o especialista em Tricologia terá capacidade de planejar o esquema terapêutico.

Os medicamentos variam para cada tipo de queda de cabelo. Em geral são utilizados medicamentos tópicos como pomadas, soluções e cremes.

Os medicamentos via oral, são utilizados em alguns casos. Em outros casos pode ser feita a aplicação de medicamentos diretamente no couro cabeludo, em um processo denominado Terapia Capilar.

Há também as terapias adjuvantes, as terapias convencionais, como o uso de lasers e led.

Tratamentos mais populares

  • Carboxiterapia,
    Aumenta a irrigação sanguínea do couro cabeludo e facilita a penetração de substâncias químicas para a queda de cabelo.
  • Implante de cabelos
    Técnica cirúrgica pela qual são implantados fios de cabelo diretamente no couro cabeludo. Apesar do resultado imediato, após cerca de 6 meses, estes fios tendem a cair e podem causar lesões no couro cabeludo.
  • Laser de baixa potência
    Estimula a regeneração da matriz que perdeu o cabelo e impede que o cabelo saudável venha a cair, melhorando progressivamente a queda de cabelo.
  • MMP – Microinfusão de Medicamentos na Pele
    Método capaz de inserir medicamentos ativos diretamente no local onde é necessária a aplicação. Tudo isso de forma mais eficiente e menos dolorida.
  • Terapia Capilar
    Métodos de tratamento dos fios e do couro cabeludo para cabelos oleosos ou secos, quebradiços, sem brilho, porosos, volumosos.
  • Transplante capilar
    Cirurgia onde se retira uma faixa de cabelo para implante em outra região onde houver maior necessidade.